segunda-feira, 6 de julho de 2015

TERMOS SINTÁTICOS E ORAÇÕES SUBSTANTIVAS

  


Já lhe disse
  ISTO (objeto direto)
  QUE NÃO GOSTO (objetiva direta)        


  DISTO (objeto indireto)  
  DE QUE VOCÊ ME TELEFONE (objetiva indireta)



Não quero
  ISTO (objeto direto)  
 QUE ME INCOMODE (objetiva indireta)



 ISTO (sujeito)  
 QUE EU LHE DIGA DE NOVO (subjetiva)
será preciso?



Repito-lhe
  ISTO (objeto direto) 
  QUE EU NÃO QUERO VOCÊ (objetiva direta)



Creia
  NISTO (objeto indireto) 
 QUE NÃO MAIS AMO VOCÊ (objetiva indireta)




Tenho a impressão
 DISTO (complemento nominal)
 DE QUE NÃO ME TELEFONARÁ (completiva nominal)



O melhor é  
  ISTO (predicativo do sujeito)
 QUE NÃO ME PROCURE MAIS (predicativa)




Não sei
 ISTO (objeto direto)  
 PORQUE INSISTE (objetiva direta)



Não quero saber
  ISTO (objeto direto)  
  SE VAI SE TOCAR (objetiva direta)



Não quero também saber
  ISTO (objeto direto)
  COMO IRÁ REAGIR (objetiva direta)



Não preciso saber
  ISTO (objeto direto) 
 ONDE IRÁ PASSAR A RAIVA (completiva nominal)



Não quero saber
  ISTO (objeto direto)
 QUANDO ME ESQUECERÁ (objetiva direta)



Mas só lhe peço uma coisa: II
  ISTO (aposto)
QUE ME ESQUEÇA (apositiva)

ORAÇÕES REDUZIDAS (1) - classifcação




Oração principal
Oração coordenda sindética
Oração subordinada substantiva
Oração subordinada adjetiva
Oração subordinda adverbial


 de GERÚNDIO , de INFINITIVO , de PARTICÍPIO


  
Para se VIVER em paz (final),
você vai NECESSITAR (principal)
de ANDAR com prudência (objetiva indireta).    



Creio (principal)  
SER você bastante inteligente (objetiva indireta),  
a fim de COMPREENDER isso (final).   



Julgo (principal)  
SER você um rapaz inteligente (objetiva direta)



ENTENDENDO esse meu conselho (condicional),  
não cairá no erro (principal),   
mesmo SENDO um adolescente (concessiva).   



Você acha (principal)   
ESTAR consciente disso (objetiva direta) ?



Ao QUERER fazer o contrário (condicional),  
poderá você cair em erros (principal).   



AFASTANDO-se dos conselhos dos mais velhos (temporal),
você se torna uma pessoa imprudente (principal),
CAINDO em diversas confusões (aditiva).  



Só precisará (principal)  
ESTAR você atento a isso (objetiva indireta).



DESCUIDANDO-se (condicional),   
você cairá no abismo do erro (principal).



 O melhor é (principal)  
você SEGUIR os mais velhos (predicativa),
ainda se SENTINDO superior a eles (concessiva).


Tenho medo (principal) 
de você se CONTAMINAR com o mal (completiva nominal).



Espero (principal) 
SER você prudente (objetiva direta),
BUSCANDO  boas companhias (aditiva),
a fim de VIVER muitos anos (final)



INDO à procura do mal (causal),
muitos morreram cedo (principal).



Por QUEREREM ser valentes (causal),
muitos encheram cemitérios (principal). 



O jovem,
VOLTADO para a reflexão (restritiva),
jamais cairá no erro (principal).



Desejar-lhe-ei sempre (principal):
SER você feliz a vida inteira (apositiva). 



TERMINADO esses meus conselhos (temporal),
ponha-os em prática (principal).  

ORAÇÕES DESENVOLVIDAS (1) - classificações





Oração coordenada assindética
Oração coordenada sindética
Oração principal
Oração subordinada substantiva
Oração subordinada adjetiva
Oração subordinada adverbial




Ainda que você não goste (concessiva),  
mesmo que fique com raiva de mim (concessiva),    
vou lhe revelar o assunto (principal)   
que ouvi de um parente seu (restritiva),   
enquanto almoçávamos na churrascaria (temporal).        



Digo-lhe isso (principal)   
para que se previna (final),
à medida que for me ouvindo (proporcional).   



Escute-me com toda a sua atenção (principal),  
porque é um problema sério (explicativa).   
Ou você me presta atenção (assindética),
ou vai sofrer mais tarde (alternativa),   
se já não estiver sofrendo (condicional).  



Já que você deseja (causal)  
que eu lhe conte (objetiva direta)   
vou lhe falar (principal).   



Você não trabalha (assindética)  
nem quer estudar (aditiva).  




Você dorme cedo (assindética),  
porém se acorda tarde (adversativa).  



Mal chega da escola (temporal),    
já vai para a rua (principal).


Você vive a brincar tanto (principal)   
que não faz as atividades (consecutiva),   
que são passadas pelos professores (restritiva)



À proporção que o tempo passa (proporcional),   
você não escuta mais ninguém (principal),   
a fim de que mude de vida (final).   



Todos os seus familiares vêem, pois, uma coisa errada em você (conclusiva).   



Creio também eu (principal)   
que você está passando por algum problema (objetiva indireta).


Acredita-se (principal)   
que você é um pessoa normal (subjetiva).   



Será muito bom (principal)  
que você mude de vida (subjetiva).   




Desejo (principal)  
que você mude logo (objetiva direta).  




Caso não mude (condicional),  
poderá, mais tarde, lhe causar problemas (principal),   
uma vez que há muita aflição em sua família (causal).     



Tenho esperança (principal)  
de que você reverterá o problema (completiva nominal)  
que tanto angustia aos seus (restritiva),    
como se vê em tantas famílias (comparativa).      



O bom mesmo é (principal)    
que você faça uma viagem (subjetiva)  
para se afastar das amizades más (final).   



Tenha muito cuidado (assindética),   
pois poderá até entrar numa depressão (explicativa).  



Já que desejo seu bem (causal),  
quero lhe lembrar isto (principal) :    
que peça a Deus sabedoria (apositiva),   

a fim de que seja feliz (final).